Pingafogo

Famílias Espirituais

1 –    Qual a diferença entre família espiritual e família carnal?
                            A família espiritual é formada por Espíritos que ao longo do tempo desenvolvem experiências em comum, estabelecendo sólidos laços de afetividade. A família carnal é formada por Espíritos ligados na Terra pela consanguinidade.
 
2 –    Não é a família carnal integrada por Espíritos que compõem uma família espiritual?
                            Nem sempre. Dependendo das experiências compatíveis com suas necessidades evolutivas, o Espírito pode reencarnar entre pessoas que não pertencem à sua família espiritual. Por experiência ou provação há quem reencarne em país e cultura diferentes, convivendo com pessoas que não guardam afinidade com ele.
 
3 –    Irá sentir-se um “estranho no ninho”?
                            Em última instância somos todos filhos de Deus, irmãos, consequentemente. Considerado esse aspecto, não deveríamos experimentar esse sentimento quando vivenciando uma situação dessa natureza. O entrosamento entre as pessoas num lar não depende tanto de pretéritas ligações. Relaciona-se muito mais com sua maturidade, sua capacidade de conviver.
 
4 –    Em lares onde há brigas e desentendimentos frequentes poderíamos dizer que estão ali reunidos inimigos do passado ligados pelos laços da consanguinidade para superar seus desentendimentos?
                            Não seria razoável que Deus nos colocasse ao lado de desafetos do passado para uma convivência conturbada. As desavenças no lar originam-se mais na deseducação do presente do que nos desentendimentos do pretérito. Inimigos do passado reúnem-se no lar para uma harmonização, superando suas desavenças, não para reacenderem conflitos.
 
5 –    Seguindo essa linha de raciocínio, podemos dizer que mesmo entre componentes de uma família espiritual reencarnada pode haver desentendimentos?
                            Sim, e até ruptura no relacionamento, porquanto uma convivência de longa data, em vidas pretéritas não é garantia de um entendimento perfeito. A harmonia num relacionamento familiar depende, essencialmente, de nosso empenho em vivenciar os princípios evangélicos, envolvendo perdão, compreensão, respeito, tolerância, caridade…
 
6 –    Espíritos que nos sejam estranhos, no âmbito da família carnal, podem converter-se em membros de nossa família espiritual?
                            Certamente. As famílias espirituais tendem a crescer, na medida em que os Espíritos se libertem de suas mazelas e imperfeições, estabelecendo elos legítimos de fraternidade ao redor de seus passos, considerando sempre que Deus nos une para que nos amemos, jamais para que nos “amassemos”.
 
7 –    Jesus tem uma família espiritual?
                            A amplitude de nossa família espiritual está subordinada a nossa capacidade de amar. Quanto mais amor o Espírito tenha para dar, mais ela crescerá. Amando em plenitude, característica dos Espíritos puros e perfeitos, Jesus tem por seus tutelados todos os Espíritos que mourejam na Terra, encarnados e desencarnados.
 
8 –    Então pertencemos à família espiritual de Jesus?
                            Digamos que o Mestre assim considere. Somos todos ovelhas de seu imenso rebanho, que ele veio reunir. Todavia, para que efetivamente nos integremos nela é preciso, como ele próprio destaca, cumprir a vontade de Deus, que se exprime no empenho permanente em favor do Bem e da Verdade. Assim estaremos ampliando sempre nossa família espiritual, para que sejamos um dia membros legítimos da família universal, a família de Jesus.

2010 - Richard Simonetti